• Karoline Rodrigues

Conheça os principais tipos de freios de Rédeas e onde comprar






As embocaduras dos cavalos de performance podem ser classificadas de acordo com o estágio de desenvolvimento do cavalo.


No início da doma, usa-se o bridão. Na sequência, vêm os freios móveis e baixo porte, introduzindo o animal à embocadura com alavancas. Em algum momento, pode ser necessário um freio de correção com um sinal mais evidente. E por fim, quando o cavalo já é sólido em todos os comandos, pode ser mantido o freio móvel ou introduzido um freio fixo.


Já falamos na semana passada sobre os bridões, e os modelos mais usados na doma. E hoje vamos falar sobre os freios mais populares usados no treinamento. Lembrando que, muito embora falemos muito aqui com foco na Rédeas, os fundamentos técnicos dessa modalidade podem ser aplicados a outras disciplinas (e comprovadamente são, com sucesso).


Os modelos de freio que existem são infinitos, dignos até de se colecionar. Mas os de que vamos falar hoje são básicos e essenciais, e podem ser encontrados em qualquer quartinho de sela que se preze:


- “Correction” (foto A) - Apesar da tradução do nome significar “correção”, é uma ferramenta muito mais usada para manutenção. É considerado um freio leve e neutro. O famoso “pau pra toda obra”. Possui variações no comprimento de perna, uma mais curta e outra mais longa, sendo o de perna mais curta comumente usado num estágio anterior ao da perna longa/normal.


- “Uma Bolinha” (foto B)- É um correction com uma esfera acrescentada no topo do porte. A diferença é o sinal que ele adiciona, tornando o comando mais nítido.


- Fixo (foto C) - A mobilidade do freio é determinada pela flexibilidade entre o porte e a barra. Essa flexibilidade influencia na forma como o comando na mão e na rédea é sentido dentro da boca do cavalo. O freio móvel proporciona mais sinal lateral, pois permite esse movimento dentro da boca do cavalo com a pressão sobre a língua. O freio fixo proporciona mais estabilidade, e por isso é indicado para um cavalo já mais pronto, para apresentação em prova com uma mão, por exemplo.


De acordo com o regulamento da ANCR (Associação Nacional do Cavalo de Rédeas), um freio usado em competição deve atender às seguintes medidas oficiais:


- Comprimento da perna: máximo de 8 1/2” (216mm), medido da parte interna da trava superior até o ponto de contato com a rédea na trava inferior.

- Altura do porte: máximo de 3 1/2” (89mm)

- Espessura da barra: mínimo de 5/16” (8mm) de diâmetro

- Espaço entre a barra e o porte: mínimo de 5/16” (8mm)


Todos esses freios apresentados acima são legais conforme o regulamento mencionado da ANCR. Mas vale lembrar que cada esporte tem suas regras, por isso é preciso ficar atento às exigências do regulamento de cada associação e modalidade praticada para evitar transtornos relacionados à legalidade do equipamento nas competições.


Pelo regulamento do Freio de Ouro da ABCCC (Associação Brasileira dos Criadores de Cavalos Crioulos), por exemplo, nas Classificatórias e na Final só são permitidos os freios duros, com ou sem jogo nas pernas, e os freios de 4 jogos, de bocal travado ou destravado - as chamadas embocaduras permanentes, com as seguintes medidas:


- Comprimento da perna: máximo de 7 cm da barra até a parte superior, e 12 cm da barra até a parte inferior

- Altura do porte: mínimo de 2cm de altura, não podendo ultrapassar a medida da perna superior do freio

- Espessura da barra: 10mm de diâmetro

- Espaço entre o bocal: 2 cm


Opiniões sobra e embocadura são tão diferentes quanto os modelos existentes. Cada cavaleiro tem sua percepção sobre o que funciona para si, e a opção por uma delas depende muito mais da combinação entre a mão do cavaleiro e a sensibilidade da boca do cavalo para se obter o resultado desejado.


Os cavalos podem apresentar diversos níveis de sensibilidade na boca, sendo uns mais pesados, outros mais leves. E isso nada quer dizer sobre sua qualidade de desempenho, sobre serem bons ou ruins. São particularidades que podem ser contornadas com as ferramentas ideais, de maneira simples, como substituindo a embocadura por outra com mais sinal, por exemplo.


Os freios aqui mostrados têm essas características gerais, e a forma de uso apresentadas não são uma verdade absoluta.


Quando se fala de treinamento de cavalos, tenhamos em mente as tradições e origens, os hábitos e costumes, as habilidades pessoais de cada cavaleiro, sua experiência e convicções. Por outro lado, acreditamos que é válido estar sempre aberto a absorver novas técnicas que podem contribuir para uma maior eficácia no treinamento, inclusive no que diz respeito a embocaduras. Simples mudanças podem causa um grande impacto no resultado!


Sobre os Freios Carneiro


Trabalhando com excelência desde 2004 os Freios Carneiro são referência no segmento, com qualidade de materiais e de acabamento, variedade de produtos e atendimento personalizado para todas as modalidades.


Presente em todos os grandes eventos de Rédeas, também despacha para todo Brasil e outros países, não só com freios, mas também esporas, rosetas e barbelas.


*Este conteúdo foi produzido em parceria com Freios Carneiro. Para saber mais sobre os produtos visite @bitscarneiro ou entre em contato pelo WhatsApp no (18) 997421233.